terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH) recebeu nesta terça-feira (22) uma comissão do Banco Mundial que está selecionando projetos hídricos do Nordeste do Brasil para estudos sobre de mudanças climáticas em situações extremas. Foi apresentada à comissão a Bacia Hidrográfica Piranhas-Açu.

Localizada nos estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba, com divisão em seis trechos, 43 mil quilômetros de extensão e 47 reservatórios, a Bacia Piranhas/Açu foi indicada pela SEMARH pela diversidade em situações de seca e enchentes e mudanças econômicas e sociais no abastecimento dos estados, além de ser uma das vias da transposição do Rio São Francisco.

A apresentação técnica do projeto foi feita pela coordenadora de Gestão de Recursos Hídricos, Joana D`arc Freire que explicou os detalhes da Bacia, como a segurança hídrica. “Os eventos extremos como seca e enchentes nesta região são os pontos mais importantes de discussão: temos que garantir o abastecimento de água para consumo humano e, ao mesmo tempo, evitar que os períodos chuvosos criem situações de enchentes, prejudicando o setor econômico do Estado”, explica.

De acordo com a coordenadora, as situações extremas de secas ocorrem mais na região Seridó do Estado e as enchentes no Vale do Açu, afetando a produção da fruticultura irrigada, uma das principais atividades econômicas do RN.

Durante a reunião, o secretário-adjunto, Jader Torres destacou a melhoria na estrutura da Bacia Piranhas Açu com as obras complementares como a Barragem de Oiticica, assegurada pela presidenta do Brasil, Dilma Rousseff como prioridade.

Os representantes do Banco Mundial disseram que a Bacia atende as demandas necessárias para o estudo, no entanto questionaram a demanda de investimentos na área e informações técnicas como hidrologia, previsões climáticas e gestão dos recursos hídricos, além de um modelo de custos e benefícios para a região.

A equipe do Banco Mundial vai conhecer amanhã (23) a estrutura da Bacia Piranhas-Açu no território potiguar. Se escolhido, o projeto piloto será executado pelos pesquisadores do banco até o final de 2012 e servirá de base para novos projetos hídricos em todo o mundo. O benefício para o Estado será contar com as informações para nortear as políticas públicas voltadas ao desenvolvimento.

Comente!

Mais lidos da semana

Siga este blog

Arquivo

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © 2013 Rodrigo Medeiros -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan | Distributed by Rocking Templates -