domingo, 1 de maio de 2011

De tão certeira, a análise do jornalista Márcio Costa publicada hoje no jornal O Mossoroense é reproduzida abaixo. Alguém ousaria discordar?

AVANÇO

Habituada a enfrentar crises geradas pelas recorrentes enchentes a cidade de Ipanguaçu tem se mostrado 'expert' na administração de crises geradas pelo fenômeno natural. Competente, a equipe local tem conseguido minimizar os efeitos da omissão gerada nas esferas estadual e federal.

RESTRIÇÕES

Bom mesmo seria que não tivéssemos que noticiar este detalhe como avanço. A região do Vale do Açu sofre com a falta de ações preventivas. Investir nas áreas situadas às margens dos rios que cortam a região é missão mais do que necessária. Quanto já gastamos com os prejuízos gerados pelas previsíveis enchentes?

Do autor do blog:

As inundações em Ipanguaçu são fruto de um descaso histórico, de quase meio século. Salvo engano, buscarei confirmar a informação, a primeira enchente no município foi registrada na década de 60 do século passado. De lá para cá, houve um período de cerca de 15 anos sem que o problema ocorresse.

De lá para cá, apenas o atual prefeito, Leonardo Oliveira, tem agido efetivamente para combater o problema. Com os limitados recursos tesouro municipal, Leonardo Oliveira determinou em 2009, sue primeiro ano como gestor de sua cidade, a construção de uma “parede” no leito do Rio Paraxó, nas imediações da comunidade da Base Física. Essa obra tem barrado mais de 90% das águas que se dirigem à sede do município.

Foi também por iniciativa de Leonardo que se executou a limpeza, necessária e preventiva, do leito do mesmo rio, do trecho que vai da comunidade de Itú até a cerca da empresa Finobrasa Agroindustrial SA. A ação não prosseguiu para o interior da propriedade privada por uma questão jurídica: o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA), que liberou a limpeza do leito do rio no trecho citado acima, não autorizou o mesmo procedimento no local. Por se tratar de uma área de preservação ambiental, tocar naquela vegetação sem permissão legal é crime, inafiançável.

A autorização que deveria ter chegado anos atrás veio, enfim, na última quinta-feira (26), em caráter emergencial, por fax, após diversas solicitações da prefeitura de Ipanguaçu. O trabalho começou de imediato. No mesmo dia a prefeitura, novamente com recursos próprios, alugou duas máquinas para realizar o trabalho. No sábado (28) o governo do Estado enviou mais uma máquina.

O governo estadual também está apoiando a prefeitura no auxílio às famílias que tiveram que deixar suas casas, inundadas. A governadora em pessoa esteve esta manhã na cidade, verificando in loco todo este sofrimento desnecessário. O governo Federal também estava representado, na pessoa do ministro da Previdência, o potiguar Garibaldi Alves Filho.

Espero, e torço muito por isto, que o final do período chuvoso não signifique também o fim da vontade dos governos estadual e federal de ajudar a resolver esse problema, que de tão constante já é aceito com naturalidade por boa parte da população local.

Comente!

Mais lidos da semana

Siga este blog

Arquivo

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © 2013 Rodrigo Medeiros -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan | Distributed by Rocking Templates -